CENEPES

O Centro de Estudos e Pesquisas em Educação e Saúde (CENEPES) é um órgão da Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina (DENEM) vinculado às assessorias. Tem como objetivo:

  • Auxiliar estudos e pesquisas nas áreas de política de saúde e educação em saúde no âmbito das escolas médicas, através das Coordenações locais da DENEM;
  • Auxiliar a Coordenação a promover divulgação de informações nas áreas de política de saúde e educação em saúde;
  • Sugerir propostas de convênios e intercâmbios à Coordenação Nacional com outras organizações;
  • Propor às Coordenações Nacional e Locais a realização de eventos e/ou, sempre que solicitados, auxiliar na organização de cursos, palestras, conferências, seminários, etc.;
  • Auxiliar a Coordenação Nacional nos trabalhos de produção e edição da revista, vídeos e jornal da DENEM;
  • Auxiliar as Coordenações Nacional e Locais no desenvolvimento e implementação do planejamento;
  • Promover a aglutinação e o inter-relacionamento das assessorias para melhor desenvolvimento de suas atividades e desenvolver outras atividades afins ou correlatas atribuídas pela Coordenação Nacional.

Para o desempenho de suas atividades o CENEPES divide-se em 8 coordenações, as quais promovem debates e análises a respeito de temáticas específicas:

  • Coordenação de Estágios e Vivências (CEV): responsável nacionalmente pela promoção dos estágios e vivências e pela ação conjunta às Coordenações Locais de Estágios e Vivências (CLEVs) e internacionalmente, junto à CREx, pela representação do Brasil na IFMSA.
  • Coordenação de Políticas Educacionais (CPE): responsável pelo debate de temáticas relacionadas às políticas educacionais em âmbito nacional, dentre as quais acesso, permanência e assistência estudantil; expansão de escolas médicas e o aumento de vagas nas nossas faculdades; reformas curriculares com discussão sobre as metodologias de ensino e sua implicação no currículo médico e na saúde mental dos estudantes de medicina.Como coordenação, vemos a necessidade de lutar contra a mercantilização da educação e nisso vemos a premência da regulamentação das escolas pagas abordando suas políticas educacionais como o FIES, o PROUNI.
  • Coordenação de Políticas de Saúde (CPS): cabe à CPS estudar desde os conceitos de saúde, com foco na Determinação Social do Processo Saúde-Doença, ao processo de desmonte do Sistema Único de Saúde através da compreensão de seu (sub)financiamento, gestão, políticas de precarização e privatização (Organizações Sociais de Saúde, EBSERH), regulação e expansão do setor privado, influência de organismos internacionais como FMI e Banco Mundial nas políticas de saúde do país. Para isso, é importante que a CPS esteja atenta às mudanças na conjuntura política não só do país, mas da América Latina e a nível mundial. Atualmente, a coordenação tem se dedicado ao estudo do impacto da crise econômica na saúde e nas novas políticas do novo governo de Michel Temer, que incluem a PEC 55 (antiga 241) e a proposta de planos de saúde populares.
  • Coordenação de Cultura (CoCult): é responsável pelo estudo e aprofundamento em diversas áreas. Os aspectos culturais da nossa sociedade vão para além das manifestações artísticas, mas também refletem estruturas de opressão que se perpetuam ao longo dos anos. A escola médica não foge dessa realidade, refletindo o machismo, a misoginia, o racismo, a LGBTfobia e todas as formas de opressão.  Reflete nas relações hierárquicas que se reproduzem no curso (professor-acadêmico, veterano-calouro) e também no currículo oculto, que reforça más práticas médicas. Cabe também destacar o recorte de classe das faculdades de medicina: quem entra no curso? Para quem ele é construído? Para quem é nosso estudo? Nesse sentido, a CoCult se debruça sobre todos esses temas, colocando-se como ferramenta de denúncia dessas práticas e como centro de acúmulo histórico das lutas das minorias. A principal bandeira da coordenação é a construção de uma sociedade justa e igualitária, com o fim da exploração e opressão humana.
  • Coordenação Científica (CoCien): tem como papel debater sobre a maneira como nossa sociedade produz ciência, suas limitações e vieses além das necessidades de avanço. Também é responsável por tratar de temas como Ligas Acadêmicas e sua inserção no currículo médico e necessidade de reformulação com base no tripé universitário.
  • Coordenação de  Meio Ambiente (CoMA): tem como norte o aprofundamento nas discussões com relação à terra, populações negligenciadas e oprimidas no processo histórico de formação da saúde que temos hoje. Responsável, também, por expandir ainda mais as discussões relativas à determinação social do processo saúde doença, levando em conta os vários impactos de políticas de saúde, educação, agrárias, alimentares nas populações. São atribuições da COMA o debate sobre população indígena, carcerária, luta antimanicomial, reforma psiquiátrica, reforma agrária, agrotóxicos, entre outros.
  • Coordenação de Educação em Saúde (CoES): está diretamente vinculada ao debate de educação médica, tendo como temas centrais nossos modelos de avaliações e metodologias. A COES também é responsável por debater sobre qual o papel da educação medica na sociedade e como podemos transforma-la para que atenda de fato as necessidades da população.
  • Coordenação de Extensão Universitária (CExU): tem o papel de debater como o que é produzido em nossas universidades deve se expandir para além de seus muros, pautando uma extensão popular emancipadora que provoque transformações reais na sociedade e para que toda a produção do conhecimento seja feita para e com o povo.